Minas Gerais: entenda o contexto

Por William Araújo

Minas Gerais compreende a maior malha viária do Brasil, distribuída entre rodovias e vias urbanas. Dessas rodovias, quatro fazem integração entre as maiores cidades do país – todas de âmbito federal. São elas:

  • BR 381 (Fernão Dias) – Liga Belo Horizonte à cidade de São Paulo
  • BR 040 – Liga Brasília a Belo Horizonte, e Belo Horizonte ao Rio de Janeiro
  • BR 262 – Liga o Triângulo Mineiro a Belo Horizonte, e Belo Horizonte à Vitória (ES)
  • BR 356 – Liga Belo Horizonte ao norte do Rio de Janeiro

O Anel Rodoviário é o entroncamento de três dessas quatro rodovias, quando chegam em Belo Horizonte: BR 381, BR 040 e BR 262. Como elas convergem dentro da cidade e se unem em uma mesma via, o fluxo de veículos aumenta e juntamente, o risco de acidentes.

Segundo o novo relatório do Seds, no ano de 2014, houve 295.965 acidentes no estado de Minas Gerais. No ano de 2015, aconteceram 275.944 ocorrências, resultando em uma queda de 7,25%.

Quantidade de acidentes em 2014 e 2015, em Minas Gerais

Quantidade de acidentes em 2014 e 2015, em Minas Gerais

Vias e órgãos públicos que mais registraram acidentes. Fonte: REDS CINDS

Vias e órgãos públicos que mais registraram acidentes. Fonte: REDS CINDS

Desses acidentes, 34,07% desencadearam vítimas letais, lesionadas, graves ou inconscientes, enquanto 65,93% não vitimaram. Ainda, de acordo com o relatório, as Vias Urbanas (internas a municípios) foram responsáveis por 221.672 (80,33%) casos no ano de 2015. As Rodovias, vias de alta velocidade e que ultrapassam os limites de um município, abarcaram 36.166 (13,10%) incidências.

Outros locais, não enquadrados em nenhuma das características dispostas pelo código de trânsito, tiveram 18.106 (6,56%) acidentes.

O órgão público que mais atendeu ocorrências foi a Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG), que registrou 77,56% das incidências, enquanto a Delegacia Virtual (Site Delegacia Virtual) recebeu 15,19% e a Polícia Civil de Minas Gerais, 7,25%.

Até 2015, Minas Gerais possuía uma frota com 9.877.798 veículos, dos quais 55,09% são automóveis, 23,37% são motocicletas (veja os demais valores na tabela abaixo). Belo Horizonte significa 17,35% dessa frota.

 O risco das motos

Apesar de existirem no estado menos motocicletas que automóveis, seus condutores foram os mais afetados nas ocorrências de trânsito. Os acidentes com motocicletas geraram 748 óbitos e 7.071 vítimas gravemente lesionadas – 48,31% de todos acidentes graves em Minas Gerais,  ano passado.

A cada dez ocorrências envolvendo motocicletas, um motociclista, no mínimo, faleceu. Somando todos os veículos, foram 2.251 mortes, resultantes de 2.041 acidentes no ano passado.

A cada 35 minutos ocorre um acidente com vítima grave ou fatal em toda Minas Gerais.

Frota de Minas Gerais dividida pela quantidade e tipo de veículos

Frota de Minas Gerais dividida pela quantidade e tipo de veículos. Fonte: REDS CINDS

O perfil de vítimas letais ou graves, em Minas Gerais, do início de 2014 ao fim de 2015, acusou maior intensidade entre as faixas etárias de 18 a 24 e 35 a 59 anos de idade. Além disso, o relatório indicou que o sexo que mais apresenta indivíduos envolvidos em acidentes continua sendo o masculino. Aproximadamente, para cada duas mulheres envolvidas em acidentes, oito homens participaram de incidentes.

Percentual Proporcional das Vítimas Fatais e Graves ou Inconscientes em Acidentes. Divididas por Sexo e Faixa Etária. Fonte: REDS CINDS

Percentual Proporcional das Vítimas Fatais e Graves ou Inconscientes em Acidentes. Divididas por Sexo e Faixa Etária. Fonte: REDS CINDS

Horários de concentração

Os horários tidos como mais perigosos nas vias de Minas Gerais estão contidos entre meio-dia e meia-noite, principalmente nas tardes dos finais de semana. Sábado e domingo somaram 38,41% de todos acidentes com vítimas fatais, graves ou inconscientes, de janeiro de 2014 a dezembro de 2015.

Quadro de horários em que ocorrem mais acidentes em Minas Gerais. Fonte: REDS CINDS

Quadro de horários em que ocorrem mais acidentes em Minas Gerais. Fonte: REDS CINDS

O mês de maio foi o que apresentou (e apresenta repetidas vezes) maior número de acidentes e vítimas do trânsito. Não coincidentemente, o mês é contemplado com a campanha educativa de conscientização do trânsito “Maio Amarelo”. O Interesse do movimento é sensibilizar as pessoas para um trânsito mais humano, expressando essa atitude com o uso de um fitilho amarelo como representação.

Tem alguma sugestão de pauta para o Buritis, Estoril e região? Faça contato conosco através do formulário abaixo ou pela nossa página no facebook .