Saiba quais são as vias mais perigosas de Belo Horizonte

Por William Araújo

A Região Integrada de Segurança Pública (RISP 1), responsável por atender a zona metropolitana de Belo Horizonte, relata que a cidade registrou, em 2014, 77.302 acidentes. Em 2015, houve um decréscimo de 3,5%, sendo minutadas 74.593 ocorrências (aproximadamente 27% em relação às ocorridas em Minas Gerais).

Distribuindo os resultados pelos meses de 2015, agosto se destacou, abarcando 6.723 casos, seguido por março (6657) e maio (6588). O mês com menor índice de acidentes foi janeiro, com 5380 ocorrências.

Quantidade de acidentes em Belo Horizonte divididos por meses

Quantidade de acidentes em Belo Horizonte divididos por meses

Comparando a informação com dados atualizados do ano de 2016, de janeiro a abril, os relatórios demonstram a diminuição no índice de ocorrências. Nos quatro primeiros meses desse ano, foram registrados, em Belo Horizonte, 21.875 acidentes, número inferior em 7,47% ao computado no mesmo período do ano passado.

Quantidade de acidentes ocorridos em Belo Horizonte em 2016 - Fonte - Seds

Quantidade de acidentes ocorridos em Belo Horizonte em 2016 – Fonte – Seds

Mesmo assim, o número de casos continua elevado. Até agora, de janeiro a abril, aconteceram, na cidade, 18.101 acidentes sem vítimas e 3.774 com vítimas.

Segundo a BHtrans, no último relatório divulgado, de 2014, os horários críticos de acidentes na cidade estão entre 7h e 9h da manhã, 12h às 14h, e 18h às 20h. Os momentos de menor intensidade do trânsito e menor índice de acidentes estão situados de 00h às 7h.

Horários com maiores índices de acidentes. Registro do ano de 2014 - BHtrans.

Horários com maiores índices de acidentes em Belo Horizonte. Registro do ano de 2014 – BHtrans.

Em 2015, das 18 zonas Risps de Minas Gerais, Belo Horizonte ocupou o primeiro lugar na ordem de acidentes registrados. No entanto, teve menos óbitos oriundos do trânsito (143 casos) do que as cidades de Juiz de Fora (165 casos), Ipatinga (172 casos) e Montes Claros (186 casos).

Quantidade de acidentes divididos por RISPs

Quantidade de acidentes divididos por RISPs

Destas 143 mortes derivadas do trânsito em Belo Horizonte, 15 vias se destacam como as principais responsáveis pelas letalidades. Dentre elas, o Anel Rodoviário continua sendo o vilão de ocorrências graves. Veja na tabela e mapa abaixo as vias de atenção.

As 15 vias mais perigosas de Belo Horizonte - Fonte - REDS CINDS

As 15 vias mais perigosas de Belo Horizonte – Fonte – REDS CINDS

Localização das 15 mais letais de Belo Horizonte. Fonte: REDS CINDS

Localização das 15 mais letais de Belo Horizonte. Fonte: REDS CINDS

Por fim, o Diagnóstico de Acidentes de Trânsito em Minas Gerais, divulgado pela Seds, para os anos de 2014 e 2015, serve como indicador principal da diminuição gradativa da quantidade de ocorrências de trânsito no estado. Percebe-se que os resultados são promissores, mas não ideais.

A Seds salienta que apesar de haver uma grande rede para levantamento de informações e criação de estatísticas, o próprio cidadão, afetado pelo trânsito, é o subsidiador direto da qualidade dos relatórios que servirão à posteridade como base para novos estudos e melhorias.

Faixa 3

Tem alguma sugestão de pauta para o Buritis, Estoril e região? Faça contato conosco através do formulário abaixo ou pela nossa página no facebook .