Por Luciano Neto, Ney Felipe e Raphael Domingues

No dia 22/03 é celebrado o Dia Mundial da Água, o evento foi criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) no ano de 1992.

Diversas ações estão sendo realizadas em Belo Horizonte, com atividades para estimular e conscientizar a população.

No Parque Jacques Cousteau, localizado no bairro Betânia, o dia foi destinado a mais de 600 alunos das escolas Mestre Ataíde, José Mendes Correia, Professora Olímpia Resende Jardim e Honorina de Barros da região Oeste, com palestras, brincadeiras, músicas, plantios de árvores e muito aprendizado para a garotada.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O evento contou com o apoio da Copasa. A empresa levou ao parque o programa Chuá, que abrange questões sobre a água, saneamento básico, bacias hidrográficas e sustentabilidade, como explica Givanildo da Cruz, coordenador do programa Chuá.

“O Programa Chuá é um programa socioambiental que a Copasa tem há mais de 30 anos, e atende trabalhos de educação ambiental nas escolas de Minas Gerais, trazendo informações do meio ambiente, dicas de economia de água e principalmente o uso correto da água”.

Edanise Guimarães Reis, bióloga e gerente dos Parques da regional Oeste e do Barreiro, explica:

“Hoje é o dia mundial da água, nada melhor que pegar essa data e trabalhar com as crianças, porque elas serão as nossas respostas no futuro. A proposta é mostrar para eles a importância da água, a preservação do meio ambiente por estar dentro de um parque, que funcionam como uma verdadeira sala de aula”.

O evento contou com a apresentação do projeto Orquestra no Parque, a primeira orquestra de parques de Belo Horizonte, para crianças e jovens de 08 a 18 anos.

O idealizador e coordenador do projeto, Rodrigo Bolivar, explica que o projeto prioriza a linguagem musical, mas com ênfase nas áreas de lazer, centros de educação para que a educação ambiental seja uma das pautas desse trabalho.

Maria do Rosário Caldeira, professora da Escola Municipal Mestre Ataíde, vem realizando trabalhos com os seus alunos, com a preocupação de alertar para que cuidado com a água não fique somente neste dia específico. Durante o ano letivo, algumas atitudes de preservação da água são tomadas e  a escola incentiva as crianças a cuidarem do meio ambiente, em especial da água, trabalhando com músicas e histórias.

“Trabalhamos incentivando as crianças a usarem a água de forma adequada para que ela não possa vir a faltar”.

Para Betânia Mendes, professora de estudos integrados, ciência, história e geografia, da Escola Municipal Mestre Ataíde, as crianças devem pensar no futuro, pela chance de faltar água, pelo racionamento que já existe em algumas cidades. Betânia falou sobre a importância do programa Chuá para as crianças:

“As crianças precisam conhecer de onde vem a água, os ciclos da água e conhecer um pouco sobre a natureza”.

Carlos Vasconcelos, conhecido na comunidade como Karlinhos, é o coordenador do projeto Bom na Bola, Bom na Vida. O projeto desenvolve várias ações educativas e conscientização ambiental com crianças, jovens e toda comunidade.

Karlinhos aproveitou o Dia Mundial da Água para divulgar o lançamento do livro “Por que eu bebo água do filtro”, escrito pelo psicólogo esportivo Nathan Ribeiro Martins, morador do bairro Buritis. O livro servirá para arrecadar fundos para ajudar o projeto Bom na Bola, Bom na Bida e o projeto Associação Brasileira de Ações Integradas para o Desenvolvimento Humano (ABRADH).

Carlos Vasconcelos finalizou falando sobre importância de trabalhar a temática água com as crianças.

“As crianças precisam começar a pensar, refletir e agir de uma forma consciente e responsável”.

 

A jovem estudante Rebeca, de 11 anos, fala com alegria da importância da água:

“A água é vida, a gente usa para tomar banho, para fazer higiene pessoal e para poder comer. Muitas pessoas não enxergam isso, mas se o mundo ficar sem água, tudo acaba”.